quinta-feira, 29 de abril de 2010

ATITUDE LEGAL EXIGE COERÊNCIA

O vereador Diniz Cogo (PMDB) cobrou na sessão da Câmara de Santiago, segunda-feira, a retirada de um casal de moradores, que se alojou em barraco com seu cavalo e carroça no final de rua a ser estendida, mais precisamente a Flores da Cunha. O vereador Pelé (PP), secretário da Mesa Diretora, afirmou que a família já ganhou duas casas da Prefeitura, mas a primeira e também a segunda foram vendidas, após alguns meses de ocupação. Em síntese, de acordo com o vereador Cláudio Cardoso (PP), o casal tem um filho com problemas graves e se encontra no CAPS - centro de atendimento a pessoas com problemas psicológicos, dependentes químicos e por aí vai... Já que o planeta está tremulando, trepidando e resta pouco tempo a esta fórmula capitalista de humanidade, quem se habilita a doar uma terceira e última morada, muito bem idealizada no papel oficial, sob o compromisso de não poderem vender? Ou o terreno vai permanecer embaraçado em circunstância ilegal? É público ou vai tornar-se privado? É politicamente correto ter pena de alguém? Vale para alguns, a troco de que santo - voto?

Amália e Jorge Fernando - Vida

quarta-feira, 28 de abril de 2010

CASAMENTO CIGANO, FOTOS EXCLUSIVAS PARA VOCÊ




























































































O casamento mais movimentado do ano, até esta quinta-feira, 29 de abril, é o dos belos ciganos Adriano e Taís. Com autorização de Cartório, na forma da Lei, divulgo algumas fotos muito legais do superevento registrado por meu colega repórter Antonio Carlos. A reprodução é proibida, conforme determina a Lei de Imprensa vigente no país, pois não permitimos. Por sinal, a cobertura da FOLHA Santiago desta sexta-feira, como as de todas as sextas, está muito acima da média, enfim, nada mais natural! Quem sabe ler e interpretar, naturalmente, só assina a FOLHA! Somos gratos pelo natural reconhecimento, pois nossos exemplares nos pontos de venda de Santiago e região são extremamente disputados. Questão de inteligência. Saudável! De gente que dispensa o atraso, a fofoca, o deboche, o jeito "CAFONA" de viver!





















































domingo, 25 de abril de 2010

DICAS PARA O DIA DAS MÃES

VIA UNO
RAMARIM

WERNER


VIZZANO
BIONDINIAlgumas das dicas mais quentes para presentear sua mãe, no segundo domingo de Maio, calçados e bolsas com preços diversificados, produzidos nos vales gaúchos do Sinos e Paranhana, também no Nordeste de São Paulo. São marcas comercializadas na maioria das lojas multimarcas desse segmento, em todo o país. As mais conhecidas dispensam comentários.

THE BRIDGE




MEIA-PATA + BOLSA OVAL + ALÇA CURTA = BEM PRODUZIDA



DUMOND






CRYSALYS


CHENSON CARMIN CALÇADOS E ACESSÓRIOS








BOTTERO

DAKOTA

Para as que primam por conforto, a Dakota sugere para presenteá-las em seu dia, segundo domingo de maio, o sapato da linha extraconforto com o inovador salto amortecedor. Sendo a única com esse exclusivo método no segmento, a marca desenvolveu tecnologia, para absorver 70% dos impactos diários dos movimentos, favorecendo a circulação, bem-estar e estilo.
MIESKO

SATRYANI
A Satryani apresenta uma dica de presente para as mães modernas e que prezam pelo bom gosto. Trata-se de um kit composto por um par de calçados e uma carteira, com o estilo e o conforto característicos de todos os produtos da marca.
Os dois itens são produzidos em camurça angorá e estão disponíveis nas cores violeta, bordô e preto. O modelo scarpin de salto alto, segue a tendência do momento, com meia-pata embutida e junto com a carteira, em formato retangular, conferem um ar fashion e elegante. Os produtos podem ser encontrados em lojas multimarcas espalhadas por todo o país.






































































CRISE SIM, MAS QUAL?


Responda rápido: vivemos no Brasil uma crise de valores ou os valores da sociedade é que estão em crise? Há uma diferença sutil entre as duas formulações, que têm sentidos divergentes. No primeiro caso, estaríamos sob uma espécie de mal-estar-moral; no segundo, apenas em um período de transição, presenciando transformações. Os oito artigos reunidos em Crise de valores ou valores em crise? (Artmed, 198 págs., R$ 38) examinam o cenário brasileiro contemporâneo em busca de respostas.

Organizado pelos professores Yves de La Taille, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), e Maria Suzana De Stefano Menin, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulistana, o volume tem outros 12 colaboradores, que se dedicam a temas como as razões de nossas indignações, as virtudes segundo os jovens de hoje, a formação da personalidade na adolescência e os valores morais apresentados por livros didáticos e também por professores no âmbito escolar.

sábado, 24 de abril de 2010

DITADURA, PARA NÃO ESQUECER


O filme Que Bom Te Ver Viva aborda a tortura, durante o período de ditadura no Brasil, mostrando como suas vítimas sobreviveram e como encaram aqueles anos de violência duas décadas depois. Em 98 minutos mistura os delírios e fantasias de uma personagem anônima, interpretada pela atriz Irene Ravache, alinhavando os depoimentos de oito ex-presas políticas brasileiras, que viveram situações de tortura. Mais do que descrever e enumerar sevícias, o filme mostra o preço que essas mulheres pagaram, e ainda pagam, por terem sobrevivido lúcidas à experiência de tortura. Para diferenciar a ficção do documentário, Lúcia Murat optou por gravar os depoimentos das ex-presas políticas em vídeo, como o enquadramento semelhante ao de retrato 3x4; filmar seu cotidiano à luz natural, representando assim a vida aparente; e usar a luz teatral, para enfocar o que está atrás da fotografia - o discurso incosciente do monólogo da personagem de Irene Ravache. Aliás, filmes sobre as duas guerras mundiais proliferam, o que sempre é bom para rechaçar a crueldade e o egoísmo, mas sobre as ditaduras militares no Cone Sul são muito poucos. Será por causa de certas anistias absurdas? E saiba Que Bom Te Ver Viva foi concluído ainda em 1989 e pode ser adquirido pela ninharia de R$ 29,90.


SÉRGIO CABRAL, O JORNALISTA DA MPB


O jornalista Sérgio Cabral é uma enciclopédia da música popular brasileira, aos 72 anos, define a a carioca Fátima de Sá em recente entrevista que produziu à revista Personnalité. Ele escreveu para os principais jornais e revistas do país, produziu discos e shows, conviveu com os maiores cantores e compositores do Rio de Janeiro e seu mais recente livro trata da biobrafia de Ataulfo Alves.

Alguns trechos da longa entrevista são brilhantes e levam a maior conhecimento da MPB, a partir de sua paixão pelo samba. Sérgio Cabral, pai do governador Sérgio Cabral Filho, cresceu no subúrbio carioca de Cavalcante, perto da Madureira, área da Portela. Cedo frequentava a quadra da escola. Tinha 15 a 16 anos em 1952. Zé Kéti e Candeia eram compositores que chamavam sua atenção. "Até meados de 1960, o samba-enredo era guardado a sete chaves, para ser conhecido só na hora do desfile. Havia o medo do plágio, de alguém roubar a ideia. Então, o que cantava antes, era samba de quadra, samba de terreiro, como esse, que depois podia virar sucesso. Mas aí o samba-enredo passou a ser gravado, a render dinheiro, e acabou com o samba de terreiro".


JORNALISTA

Depois de formado em Jornalismo, obteve amizade e respeito de Zé Kéti, Cartola, Nelson Cavaquinho, Ismael Silva, Padeirinho, vários deles passavam grande tempo em sua casa. Cabral conheceu personalidades que dariam extraordinários romances e cita uma dama.


DONA NEUMA E OS PALAVRÕES

"Dona Neuma da Mangueira. Tinha uns cem afilhados. Na Mangueira, a casa dela era a única que tinha telefone. Quando as mulheres grávidas sentiam dores, buscavam telefonar para a ambulância, que não chegava e a criança nascia ali. E Dona Neuma se tornava madrinha. Além disso, ela alfabetizava aquelas pessoas. Criou um método que considero precursor do revolucionário Paulo Freire, que usava palavras familiares à criança ou ao adulto, para que se familiarizassem com as letras e aprendessem mais rapidamente. Neuma também, só que de um jeito diferente. Só palavrões. Imagina. As crianças ficavam todas loucas para ler as palavras.


QUARTETO IMORTAL

Cartola, Zé Kéti, Nelson Cavaquinho e Ismael Silva formavam o quarteto que sempre acompanhava as incursões boemias de Sérgio Cabral. "Ismael era o mais vaidoso. Quando se fazia uma pergunta a ele sobre música popular brasileira, o samba da época dele, 1930, ele estava sempre no centro, era o protagonista. Tanto que eu tive certeza que Noel Rosa era realmente um gênio, quando Ismael falou para mim: O Noel era muito bom. Aí eu pensei, se ele reconhece... O Zé Kéti era fogo. Atacava as mulheres, não perdoava. O Nelson Cavaquinho tinha aquele jeito meio maluco, meio ingênuo. Uma vez, me lembro de uma mocinha sentada ao lado dele, fã, olhando, cantando junto. E ele lá. Uma hora não aguentou. Virou para ela e: 'Minha filha, você tem umas pernas...' E passou a mão na perna dela. Já Cartola era um homem elegante na maneira de viver, além de se vestir bem. Quando resolveu construir sua casa no morro da Mangueira, eu sabia que ia passar dificuldades. E nessa época, eu tinha salário bom, era editor em O Pasquim.
EDITORES DE O PASQUIM EM CANA
O jornal estava indo bem. Prometi dar o banheiro para ele. Só que acabamos em cana (parte da equipe do jornal foi presa em 1970) e o jornal entrou numa decadência econômica daquelas. Em 1971, não ganhei um tostão. Vivia pegando dinheiro num banco, para pagar empréstimo no outro, cheguei a ser despejado, uma coisa horrorosa. Cartola foi somente uma vez no Pasquim pegar o dinheiro, eu não tinha, nunca mais tocou no assunto, que elegância...".

OBRA DE SÉRGIO CABRAL

As Escolals de Samba (1974)

Pixinguinha - Vida e Obra (1977)

ABC do Sérgio Cabral (1979)

Tom Jobim (1987)

No Tempo do Almirante (1990)

No Tempo de Ary Barroso (1993)

Elizeth Cardoso - Uma Vida (1994)

As Escolas de Samba do Rio de Janeiro (1996)

A Música Popular Brasileira na Era do Rádio (1996)

Antonio Carlos Jobim - Uma Biografia (1997)

Livro do Centenário do Clube Regatas Vasco da Gama (1998)

Mangueira: a Nação Verde e Rosa (1998)

Nara Leão - Uma Biografia (2001)

Grande Otelo - Uma Biografia (2007)

Ataulfo Alves - Vida e Obra (2009)

quinta-feira, 22 de abril de 2010

NOVELA TEMPOS MODERNOS DA REDE GLOBO ESCONDE HISTÓRIA DA VERDADEIRA GALERIA DO ROCK


A Baratos Afins não é simplesmente uma loja que vende música. Trata-se, sim, de um ícone da Galeria do Rock - endereço de São Paulo que se modernizou para novela da Globo, virou palco de desfile da São Paulo Fashion Week, mas segue na memória da cidade como um ruído dos tempos da rebeldia, um lugar de resistência.Entre os cinco andares um imenso boneco de Elvis Presley parecia perdido, no final de 1963, prestes a casar com Priscila, enquanto o Brasil era prenúncio do mais baixo golpe contra os sonhos da liberdade juvenil - o advento da maldita ditadura militar de 1964! Brasileiros como Erasmo Carlos resistiram na base da Jovem Guarda, mas apesar dos pesares a Galeria é "globolizada" e a ditadura militar "amaldiçoada".

ECOS DO PASSADO
A galeira que surge platinada na novela Tempos Modernos exibida pela Rede Globo, já foi um antro sujo, mal iluminado, um pobre conjunto de salões de beleza, alfaiatarias, oficinas de assistência técnica e inferninhos de paredes vermelhas e sofás suspeitos. Há 30 anos, havia a loja Baratos Afins, as escadas rolantes sequer funcionavam e o escuro era tanto, que mal se conhecia ver o que rolava nos corredores. Remanescentes lembram que o segundo andar era uma caverna.
Eis que um figuraço chamado "Luis Calanca", quixotesco sobrevivente dos primeiros tempos da proposta de loja ali estabelecida como musical revolucionária, associou-se a outros lojistas a meio pau de grana, que se entusiasmaram e conseguiram, depois de anos, derrubar a liderança truculenta do "síndico baixaria", o zelador que se tratava de um sujeito avesso a novidades, figura típica da ditadura militar, que resolvia reuniões batendo com um revólver na mesa. A galeira deu um salto à Luis XV - nova iluminação sobre as modestas vitrinas da Baratos Afins e de outras lojas que alimentavam jovens avessos à música comercial das rádios.

REVOLUÇÃO PELA MÚSICA
Gerações de roqueiros começaram a frequentar cada vez mais o espaço erguido pelo arquiteto Alfredo Mathias (que também projetou o Shopping Iguatemi), em 1963. Era um lugar de resistência, onde os músicos das bandas se encontravam, traçavam informações exclusivas, em encontros por vezes violentos entre punks e skinheads, o que garantia ao local uma aura de autenticidade e rebeldia. Em 1994, a Baratos Afins virou local de peregrinação para fiéis do rock autêntico. Até o brega Amado Batista passou por lá. Queria conhecer o quase homônimo Arnaldo Baptista (Mutantes com Rita Lee...). A lista dos clientes diários é enorme. Inclui de Titãs a Legião Urbana e também jornalistas e escritores como Nelson Motta e Ruy Castro.

"Ir para a Galeria era como desbravar terras alienígenas"
(Fabio Massari)

Das primeiras viagens à Galeria do Rock a gente não esquece - principalmente porque a empreitada era uma espécie de aventura, desbravamento de terrenos praticamente alienígenas - uma viagem mesmo. Lembro do primeiro disco (vinil duplo) que comprei na Punk Rock - um bootleg fabuloso do Blondie, Live at Hammersmith Odeon. Lembro também que a Baratos Afins, no começo tinha o tamanho de uma cabine telefônica.
Ficha técnica: Fabio Massari era amigo de Tim Maia e de Luis Calanca, tinha rara habilidade com a agulha como farmacêutico diplomado, o que valeu o apelido Mão de Veludo, dedos para tocar música - na vitrola, no três em um - para vender.

video

PRESTIGIE A RÁDIO CENTRAL FM


O competente radialista e advogado Éldrio Machado lança o blog da sua Rádio Central FM, localizada na Tito Beccon, número 1568, sala 02, no Centro de Santiago. Confira que o rapaz é competente, e a cidade precisa de empreendedores, assim como de pessoas que estimulem o empreendedorismo. Certamente, vai conquistar muita audiência. Acesse http://www.radiocentraldesantiago.blogspot.com


quarta-feira, 21 de abril de 2010

A CULPA É DO FIDEL!




França, início dos anos 70. Para a menina Anna, de nove anos, homens barbudos e de expressão enérgica são comunistas que querem a guerra nuclear. Ativos militantes de esquerda, seus pais apelidaram a única conservadora da família de "pequena múmia", em referência aos adversários de Salvador Allende, então presidente do Chile, cujas reformas o casal apoia a distância. As conexões entre a situação política do planeta e seus reflexos no cotidiano embaralham a percepção de Anna (Nina Kervel-Bey) e de seu irmão caçula (Benjamin Feuillet) em A Culpa é de Fidel! (França, 2007, 95 min, disponível somente para locação). Espirituosa estreia na ficção da documentarista Julie Gravas, filha do diretor Costa-Gravas (de quem foi assistente no contravertido Amém, que denuncia aliança entre o Vaticano e nazistas). Uma das principais referências do cinema político contemporâneo, diretor também de filmes como Z (1969), A Confissão (1970) e Estado de sítio (1972), Costa-Gravas explorou o golpe militar que derrubou Allende em Desaparecido, um grande mistério (1982). O tom adotado por Julie a aproxima mais, no entanto, de outra representação do mesmo período, o longa-metragem chileno Machucha (2004), de Andrés Wood, em que o conturbado cenário político do período também é visto da perspectiva infantil. Em A Culpa é do Fidel!, pai (Stefano Accorsi, de Capitães de abril, que reconstitui a queda da ditadura de Antonio Salazar em Portugal) e mãe (Julie Depardieu, filha do também ator Gerard Depardieu) vivem diante dos filhos os dilemas de quem se preocupava, naquele momento, em intervir de alguma forma na sociedade. Baseada em romance de Domitilla Calamai, a história contada por Julie sugere que esse espírito de solidariedade e de mobilização, talvez, seja o maior legado que se possa transmitir.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Marina de la Riva - Bloco do Prazer

MARINA DE LA RIVA


HAVANA, CUBA, JUNHO DE 2009

JORNADA INESQUECÍVEL

(Cantora 'brasileira' Marina de La Riva às vésperas do lançamento do seu primeiro DVD, em que mescla ritmos nordestinos maternos e de seu pai médico cubano)
"Já tinha ido algumas vezes, mas dessa vez, por muitos motivos, foi única. Entre outras coisas, eu me apresentei pela primeira vez lá, no Teatro América, em um festival de boleros. Foi um desafio grande, cantar boleros, em Cuba, tierra de mis sueños y mis fantasias... Meus amigos locais se portaram como minha família, meu coração ficou cheio de amor e de música. Então, me senti segura e emocionada. Ofereci as músicas que cantei ao homem que me ensinou amar aquela terra distante, meu avô Fernando de La Riva. A plateia percebeu a importância do momento e foi lindo, a emoção contagiou a todos. Fiquei no Hotel Nacional, lugar que adoro. Ensaiei com a Orquestra Sinfônica, consegui que um maestro maravilhoso fizesse meus arranjos, assisti ao por do sol no Malecon várias vezes e saí para dançar. Fui muito feliz naqueles dias.".

MARINA DE LA RIVA 2011
O FUTURO É O CAMBOJA
"Tenho muita vontade de conhecer a Indochina. Pela cultura, por tudo que me desperta. Quando pequena, ficava olhando uma foto dos meus bisavós em sua lua de mel, no Camboja, em Angkor Wat. Imagine, saindo de Cuba para o Camboja, naquela época! Viva o amor, que faz tudo ser possível. Morro de curiosidade em conhecer de perto sua história, seu sistema político, que é uma monarquia constitucional bem recente, iniciada em 1993, após décadas de regime comunista autoritário. Tudo lá é muito antigo, ao mesmo tempo novo, pois faz apenas mais de 50 anos que conseguiu a independência da França. As fronteiras também me encantam e atraem, pois o país fica entre a Tailândia, no norte e ocidente, o Laos, no nordeste, e o Vietnã, no leste e sudeste".

segunda-feira, 19 de abril de 2010

CORRUPTOS OU CORROMPIDOS?


CUBA, INATACÁVEL, ACEITÁVEL POR OBAMA
O aniversário dos 51 anos da ascensão de Fidel Castro ao poder remete discutir rumos do denominado socialismo teórico, do capitalismo prático e os atuais milimétricos cortes entre esquerda e direita, pela luta das castas globais inescrupulosas em nenhuma forma de poder que - de fato -privilegie a minoria de pobres coitados. CHINELAS HAVAIANAS! HAY QUE ENDURECER, SEM PERDER LA TERNURA DE MEUS PÉS COM FRIEIRAS 'JAMAS'! A mais ignóbil apresentada mistura da ignorância entre português e espanhol anterior configura toda a ignorância entre história e presente, direita e esquerda, Volver! Vou Ver? Re-volver na história de um Revólver?
COMUNISTA
Em 1959, Cuba tinha uma das maiores rendas per capita do Caribe, informação que escondia cruel cenário popular. Pouquíssimos cubanos se aproveitavam da exportação de açúcar, enquanto a maioria da população sobrevivia sem serviços públicos e enfrentava miséria, elevadíssimas taxas de desemprego. Tudo isso devido à presença dos Estados Unidos, que eliminiram a dependência espanhola de quatro séculos. Cuba se deixou dominar pelos norte-americanos cretinos que controlavam, desde 1889, 75% das terras produtivas. Na época, o ditador cubano Fulgencio Batista deixou os exploradores nojentos norte-americanos transformarem Havana (capital de Cuba) em imenso cassino recheado de bordéis - no período de 1920 a 1930 -, ironicamente quando o consumo de álcool fora proibido nos Estados Unidos. Cuba era o cabaré dos norte-americanos estupefados de dólares a manter a ilha.
NEFASTOS
Naquele cenário de tudo de bom para os nefastos, horrendos, porcos norte-americanos, a semear prostituição e roubalheira de tesouros da ilha, que surgiu um grupo de guerrilheiros liderados por Che Guevara, Fidel Castro e seu irmão Raúl, que tomaram o poder em 1º de janeiro de 1959. Vieram os benefícios de acesso à saúde e educação, com a queda do ditador Fulgencio e da intromissão dos nojentos norte-americanos, Cuba viu-se sustentada pela ajuda financeira da então União Soviética. Em 1961, Fidel declarou que Cuba era socialista!
IDEOLOGIA DESTRUÍDA
Esse termo - SOCIALISTA - define sistema socioeconômico em que o Estado é dono de todos os serviços e atividades produtivas de um país. Seu objetivo principal é de garantir a igualdade, fazendo com que a riqueza e as oportunidades sejam distribuídas para todos os cidadãos. Para o filósofo alemão Karl Marx (1818-1883), o socialismo era visto como um estágio transitório, um caminho que transportaria uma sociedade do capitalismo ao comunismo, um sistema sem classes nem governo. O avanço do socialismo por diversos países - nas décadas de 50 e 60, quando um terço da população mundial era governada por esse regime - redefiniu outro conceito clássico de sistema, o da esquerda. Originário da Revolução Francesa (1789-1799), quando designava a posição que os deputados radicais ocupavam no plenário da Assembleia Constituinte, o termo passou a ser sinônimo de socialismo e comunismo. Até hoje, o conceito mais aceito é o de filósofos como o italiano Norberto Bobbio (1909-2004), que coloca a defesa da igualdade como o critério que separa esquerda e direita.
VITÓRIA DA DESIGUALDADE
Mas, dizer que a direita é inigualitária não significa dizer que ela é má. Bobbio elucida que para os direitistas as desigualdades são úteis porque melhoram a sociedade, via meristocracia - os melhores e mais bem preparados ganham mais, o que os incentiva a evoluir. Argumentam que sempre ao tentar a igualdade, sufoca-se o valor principal, a liberdade para os direitistas. Afinal, o sistema mais identificado com a direita, o capitalismo, tem como bases teóricas uma série de liberdades - de abrir empresas, de escolher sócio, de decidir seu patrão, etc.
Conforme a história seguiu seu curso, o significado do 'sermos' foi se alterando. As práticas autoritárias dos sistemas socialistas, por exemplo, fizeram com que o conceito fosse associado ao totalitarismo e ao desrespeito aos direitos humanos. Por outro lado, a queda do Muro de Berlim, em 1989, e a dissolução da URSS, em 1991, abalaram a esquerda. Sua morte foi decretada em 1992 pelo cientista político Francis Fukuyama, argumentando que todas as alternativas políticas de esquerda haviam sido derrotadas pelo capitalismo.
DIREITA, ESQUERDA, TODOS SÃO CORRUPTOS?
Se existe alguma certeza entre os especialistas é que a implosão dos regimes socialistas serviu para descolar a associação automática entre socialismo e esquerda, e entre capitalismo e direita. - Percebemos que não houve apenas a esquerda comunista, houve também, e há ainda, uma esquerda no interior do regime capitalista -, escreveu Norberto Bobbio, para quem a igualdade continua sendo o norte que separa as duas ideologias. Outros pesquisadores, porém apontam que os movimentos de esquerda atuais se abrigam sob um guarda-chuva mais amplo de ideologias, que incluem o combate ao autoritarismo e a defesa de não-violência. Mas isso está longe de ser um consenso. Movimentos anti-globalização, por exemplo, rejeitam essa postura, argumentando que os protestos pacíficos não conseguiram mudar nada. Por fim, para estudiosos como o sociólogo Anthony Giddens, simplesmente não faz sentido seguir usando esses conceitos, pois eles não dão mais conta de explicar o cenário político do século XXI. - Presenciei esse embaralhamento de conceitos em 1989, quando estive na União Soviética para estudar a Perestróika, a abertura econômica e financeira do país. Na época, os comunistas ortodoxos que não queriam mudanças, eram chamados de direitistas, enquanto os que defendian transformações para a economia de mercado eram considerados esquerdistas. Eu esperava o contrário -, diz Ângelo Segrillo, historiador da Universidade de São Paulo e pesquisador do Instituto Puskin, de Moscou, na Rússia.
CALCANHAR DE CUBA
E Cuba com isso? Pelas definições atuais, é controverso encarar seu governo como de esquerda - isso se considerarmos que o conceito ainda é válido. Afinal, a revolução produziu uma casta de funcionários públicos privilegiados (o que fere o critério de igualdade), segue aplicando a pena de morte (o que atinge o princípio da não-violência) e bloqueia a livre manifestação de opositores (o que impede o combate ao autoritarismo). O socialismo por sua vez também não é mais o mesmo. A mudança mais influente vem da China e atende pelo nome de "socialismo de mercado", caracterizado por uma abertura para a livre iniciativa e a concorrência em algumas áreas da economia, enquanto o governo continua controlando com mão forte o poder político. Cuba tem seguido a mesma tendência. Algumas medidas do atual presidente Raúl Castro sinalizam concessões ao capitalismo: o direito à propriedade de imóveis, a permissão do uso de hotéis e acesso a bens de consumo. Também é inegável que 51 anos de socialismo produziram avanços. Hoje, a ilha ostenta índices sociais dignos de países desenvolvidos. A taxa de analfabetismo é apenas 0,2% (segunda melhor do MUNDO), a mortalidade infantil é a menor das Américas e todos têm CASA e COMIDA GARANTIDOS PELO GOVERNO! Em compensação, a alimentação é racionada, faltam produtos básicos e a ilha sofre com apagões de energia - para os defensores do regime, a penúria é causada pelo bloqueio imposto pelos Estados Unidos, que trava as transações comerciais de Cuba. A hipótese, sem dúvida, é a mais aceitável.
(Quer saber mais? Leia "Direita e Esquerda - Razões e Significado de uma Distinção Política, Norberto Bobbio, 190 pgs., Editora Unesp, R$ 30)


sexta-feira, 16 de abril de 2010

AMY WINEHOUSE - REHAB

video

BACK TO BLACK - AMY WINEHOUSE

video

CHICO XAVIER, O FILME

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE C...

O HOMEM QUE FALAVA COM ESPÍRITOS


O lançamento de "O Homem que Falava com Espíritos" é mais um ingrediente nas comemorações envolvendo o aniversário do médium. Trata-se de um livro, escrito pelo jornalista Luis Eduardo de Souza, estudioso do Espiritismo há 15 anos, e que, desde o início do milênio, vem pesquisando material sobre a vida de Chico Xavier. Essas pesquisas resultaram na publicação de diversas revistas sobre o assunto e do livro O Mestre Chico Xavier com mais de 12 mil exemplares vendidos, lançado em 2006. Assim o livro atinge em cheio os mais de 30 milhões de simpatizantes do Espiritismo, que terão acesso a uma obra que combina trabalho jornalístico apurado e conhecimento teórico que o autor possui sobre a doutrina Espírita, o que possibilita ao autor explicar os fenômenos envolvendo Chico de tal maneira que mesmo os leigos no assunto possam entendê-lo facilmente. O livro ainda possui um grande diferencial: vem acompanhado de um CD de áudio com a narração de ensinamentos trazidos por Chico Xavier durante a sua vida.

(sinopse Livraria Saraiva, R$ 29,30)

quinta-feira, 15 de abril de 2010

DE CLAY RODRIGUES, BLOGUEIRO FASHION Nº 1 DO BRASIL





Por Clay Rodrigues - Brasília
Vincent e Lorenzo são dois franceses barbudos e descabelados que criaram o blog Le Petit Écho Malade. Eles parodiam com cenas hilárias as fotos e ícones fashions divulgados pelos blogs de moda mais famosos da rede, como Le Blog de Betty e The Cherry Blossom Girl.
Os meninos deixam claro que a cópia debochada dos blogs é uma forma de questionar os códigos e as maneiras de representar a moda, “as críticas estão abertas, isso faz parte do jogo, mas não gostamos de insultos.









O BESTIAL 'HUMANOFÓBICO' É SANTIAGUENSE


DISFARCES DO SER INFILTRADOO pior picareta, ser 'humanofóbico', é o que acredita em sua própria mentira e julga-se acima da inteligência de seres de fato humanos em seus erros e acertos característicos da espécime não picareta. A característica mais facilmente identificável de um picareta 'humanofóbico' é programar sua memória para acreditar na mentira de que tem credibilidade e alguma importância no restritíssimo grupo de formadores de opinião. Assim, infiltra-se no centro dos detentores de poder político na cidade onde reside e também tenta estuprar as cidades satélites do pequeníssimo polo bebê. Sua falsidade notória é percebida no cabelo gusmento de tão bundinha, porque para ser 'boyzinho' é preciso ter cash, ser vip para dispensar o golpismo de araque farsante. Outra característica interessantíssima é sua pose diante de colegas trabalhadores, afoitos para sobreviver entre tsunamis de e-mail's covardes e sempre anônimos. O ridículo picareta 'humanofóbico' desfila pelos entrepostos do Executivo e Legislativo angariando fundos para sua sobrevivência, fazendo 'copydesk' do trabalho jornalístico suado, sacrificado e alheio. Apesar de todo esse pouco que apresento, tem até gente que anuncia com esse aborto de passarinho míope. Pior! Com dinheiro público! Azar desses humanóides coniventes, porque tem eleição vindo aí. E estão jogando fora o dinheiro do imposto que nós pagamos para o 'humanofóbico', imaginando que este blog vai deixar por pouco. Estão muito enganados. O humanofóbico não tem memória, portanto neurônios em quantidade suficiente para lembrar, quem denunciou e furou todos os veículos de comunicação da região, quando da demissão de ex-gerente da Corsan, de ex-diretor do Presídio Estadual de Santiago, e furo jornalístico é propriedade de quem trabalha por prazer e para sobreviver dignamente, sem tentar ser o que não é. Esse intruso, talvez, ainda tenha jeito. Com um bom tratamento psiquiátrico. Mas, que a família dele resolva. Melhor não se meter neste aspecto tão intimamenente psicanalítico, porém, ele precisa ser desprezado na sua pretensão de apagar memórias como ele faz com a sua. Na verdade, assim como a maioria dos brasileiros ainda não decidi meu voto. Apenas, decidi em quem não voto. Portanto, não venha colocar números de jogatina sobre a senhora Dilma Roussef (PT), como se já estivesse derrotada pelo senhor 'Simpatia em Pessoa', o paulista Serra. E serram mesmo. O paulista da zona de Yeda remete à venda por preço de banana de estatais como a Companhia Vale do Rio Doce. Se não fosse o brio dos jornalistas da Folha de São Paulo, o que se pode chamar de venda corrupta de estatais pelo 'humanofóbico' ex-FHC, nunca teriam vindo à tona. É tão 'humanofóbico' este infiltrado da imprensa local - no seu caso só de um mercado e veja lá -, que já prega a derrota da candidata do PT (talvez também seja 'mulherofóbico'), como se persistisse sobre a idônea conduta a ignorância de não saber que o maior cliente do Ibope é a Rede Globo de Televisão - o instituto é descredenciado em países como o México, Colômbia, Venezuela e Chile, onde 'humanofóbicos' não passam pela Alfândega. São extraditados. No âmbito do Rio Grande do Sul, terra adorada que merece o nosso maior orgulho e amor, a criatura já elegeu Fogaça. Certamente, tem muitas chances, pois há décadas emplacou num modismo musical de razoável qualidade. Se esta praga continuar contaminando a prática do jornalismo realizado com o mínimo de respeito e sensatez em material impresso e na blogosfera, não tenham dúvida, abro campanha para a mulherada. Melhor Dilma Roussef, melhor Marina Silva, do que não vale a pena ver de novo - o desmonte do Estado Brasileiro pelos senhores doutores, que voltaram após a ditadura militar covarde, podre, suja, imunda; mas nunca foram submetidos a torturas. Esse 'humanofóbico' já imaginou se Lula soubesse falar inglês? Esse infiltrado de estilo totalmente brega, sequer sabe combinar jeans com camiseta e tênis, sabe que Lula elevou o Brasil a condição de 6ª economia mundial? E o PMDB - setor clientelista que ele defende, pois tem tendências de muito respeito, mas nessas ele não está incluído - do Sarney está ou não está nas mãos do Lula, portanto, de sua equipe, de sua candidata? Lula foi compreensivo, o que não significa confundir colocar interesses pessoais e partidários acima do bem-estar de todos os brasileiros. Sempre é preciso ceder, caso contrário as vitórias são interrompidas. Enfim, que ladainha enorme, que desabafo, mas enche o saco ainda ter de engolir e-mail's anônimos que me acusam disso ou daquilo. Só porque tenho um blogzinho, independente, pago com o dinheiro que recebo do meu trabalho honesto, num veículo em que não ataco absolutamente nenhum colega de profissão? Tampouco sou atacado, porque somos profissionais, nos respeitamos, sou absolutamente consciente de sua força, talento e idoneidade. Eles também não jogam fora seu tempo com mensagens anônimas. Mas, descobri sua identidade, porque é pra lá de tão destestado. Não sou imobiliária, vá alugar outro e-mail, ou vai apanhar em um desses lugares 'oficiais'. Ora, vá pentear macacos. Perdão! Os macacos não merecem!